terça-feira, 2 de agosto de 2016

Exulansis

Cheguei no banco central, com minha mochila e tudo pronto. Entrei pela porta da frente, mas não queria, nem precisava, passar pela porta com detector de metal. Seria meio ruim se detectassem as armas, explosivos, disfarces e equipamentos eu carregava. 

Tinha que ser ali. Eu não perdia por esperar. Saí do banco, me enfiei no beco escuro logo ao lado e vesti meu infalível traje. Carreguei as armas, e esperei mais alguns suspiros.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Deep Immersion


"Feche os olhos, respire bem fundo, e não se arrependa de nada. Pois tudo vale a pena, até os arrependimentos. Principalmente os arrependimentos."

Tracklist:
00:00 Claptone - No Eyes (feat Jaw) (Gamper  Dadoni Remix)
03:35 Pink Floyd - Another Brick in the Wall (Vintage Culture Remix)
07:07 Sam Feldt - Show Me Love (EDX's Indian Summer Remix)
10:43 Flight Facilities - Clair De Lune feat Christine Hoberg (Motez Remix)
15:14 Kraak & Smaak - How We Gonna Stop The Time (Monitor 66 Remix) (feat. Stee Downes)
19:52 Oberst & Buchner - Today I Feel (feat Midimúm) (Alex Q Remix)
24:09 Worakls - Salzburg
29:36 Sylvia Tosun - Underlying Feeling (Adam K & Soha Club Mix)
35:27 Nora En Pure - Turn It Around
38:57 Worakls - Adagio For Square
46:09 Ben Phipps - Don't Look Back (feat Ashe)

♫ Deep House, Progressive House

sábado, 16 de julho de 2016

domingo, 12 de junho de 2016

Imperfeito

Hoje eu entrei em meu novo emprego. A empresa que que me contratou havia acabado de demitir um dos melhores gerentes deles, e eu, com a minha já extensa experiência, consegui ser contratado no lugar. Ganhei para mim o escritório do antigo funcionário, os documentos inacabados, as contas pendentes e, principalmente, sua auxiliar de escritório: Lucélia. Mas ainda não é o momento certo de começar a falar sobre ela.

Primeiro, tenho que falar um pouquinho sobre mim. Mais precisamente, sobre o meu poder de voltar no tempo e a minha maldição que tenho em meu coração. E, mais precisamente ainda, sobre como eu consegui esse emprego.

terça-feira, 31 de maio de 2016

O Banco Falante

Era uma manhã ensolarada, com uma brisa calma no parque em plena primavera. Eu estava sentado em um dos bancos abaixo de uma cerejeira. Pessoas apareciam e desapareciam aqui e ali, vivendo suas vidas, as mais agitadas sendo puxadas pelas correntes do tempo, enquanto as calmas e os velhinhos pareciam-se cascas de chocolate quente no relento.
Uma que não pertencia a nenhum desses grupos esbarrou na minha perna ao perseguir uma bola. Ela caiu na grama, mas antes de eu conseguir me desculpar ela já estava de pé, olhando atentamente o banco azul onde eu estava sentado, tentando entender o que a havia feito cair. Era uma menina, de uns 8 ou 9 anos, agora com olhos confusos ao perceber que foi um completo nada que a derrubou.

Foi aí que eu lembrei quem eu era.

— Desculpe, minha querida — eu disse —, mas você não pode me ver. Eu sou invisível.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Énouement

Acordei no meio da madrugada com um puxão em minha perna esquerda. Quando abri os olhos e me pus consciente, estava parado em frente à cama um homem engravatado e de cabelos grisalhos. Era estranhamente familiar, de uma maneira até mesmo surreal.

— Olá — disse ele, com uma expressão vazia no rosto — eu sou você daqui a trinta anos.